Análise da interação proteica na evolução do câncer

Luiz Henrique Rauber Rodrigues, C A Bugs, E M Simão

Resumo


A ativação das vias dos mecanismos de manutenção do genoma (MMG), tais como: ciclo celular (CC), resposta ao dano no DNA (RDD) e apoptose (APO), contribuem significativamente para o desenvolvimento tumoral. Em estudos anteriores, foram verificados em processos pré-cancerosos há ativação de uma barreira anti-câncer, que é responsável pela prevenção da progressão tumoral. A identificação dos genes expressos durante a ativação da barreira anti-câncer, associadas com as interações nas vias MMG, tornam-se uma complementariedade ao estudo da evolução do câncer. Neste trabalho, o objetivo foi investigar a ativação dos genes das vias MMG em pré-câncer da glândula adrenal, cólon, pâncreas e folículos da tireoide, usando redes de interação entre proteínas. Para descrever este estudo foi proposta a modelagem das redes de interação entre as proteínas das vias MMG usando o software Cytoscape. Os resultados obtidos com os genes destacados em expressão e quantidade de interações foram comparados com os resultados de publicações anteriores e reconfirmaram a relevância dos genes CDKN1A, CHEK1, ATR, TP53, MRE11A e XRCC4. A análise por vias permitiu a identificação de outros genes complementares aos trabalhos anteriores, como os genes SKP2, CCNO, FADD, RAD50, NBN, BIRC3, CDK2 e XRCC6. Estes genes estão associados e complementam os estudos sobre a ativação da barreira anti-câncer. Estas considerações realçam a importância de observar todo o contexto biológico sistêmico e imersivo.


Palavras-chave


bioinformática, expressão gênica, barreira anti-câncer

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2015.119901

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.