A Cidade de Estância sob o Olhar no Tempo-Espaço da Fábrica

Alexandrina Luz Conceição

Resumo


Este artigo tem como objetivo fazer a leitura espacial geográfica da cidade de Estância/SE, diante da crise estrutural do capital, a partir da memória dos seus moradores, os que vivem do trabalho: dos empregados e desempregados das instalações industriais da cidade, procurando identificar as suas ações, reações e tensões, tendo a palavra fábrica como signo ideológico nucleador dos questionamentos. A análise das representações da cotidianidade foi mediada na abordagem lefebvriana que permite compreender o vivido e o percebido enquanto concepção, prático sensível. A leitura desenvolvida permitiu verificar que a palavra fábrica passa por todas as relações do cotidiano, dos sujeitos questionados; a cidade não é percebida, na velocidade dos tempos da modernização tecnológica, do ritmo acelerado da informatização, ou da robótica, mas no tempo da duração lenta. O tempo e história da cidade de Estância são geograficizados no congelamento do ontem, como forma talvez de naturalizar a miséria e gravar pela memória um ontem que eterniza melhores tempos que lhe permite dar sentido ao cotidiano de suas vidas. No desejo, a subjetividade é a corrente do seu aprisionamento, uma vez que o trabalho alienado é seu meio e fim. 

Palavras-chave


trabalho, capital, fábrica, tempo da memória, cotidiano

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.