Levantamento do nível do lençol freático da área urbana dos bairros Querência e Atlântico Sul, Balneário Cassino - RS, a partir de dados de georadar

Autores

  • Natália Dias de Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, Campus Rio Grande
  • Miguel da Guia Albuquerque Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, Campus Rio Grande
  • Deivid Cristian Leal Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, Campus Rio Grande
  • Jean Marcel de Almeida Espinoza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, Campus Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2017.115301

Palavras-chave:

GPR, áreas de alagamentos, volume livre do solo, geotecnologias

Resumo

Esse estudo visa caracterizar o comportamento do lençol freático na área urbana do balneário Cassino, Rio Grande do Sul, nos bairros Querência e Atlântico Sul. A partir de dados de altimetria do terreno (obtidos com GNSS-RTK), composição do solo, pluviosidade, GPR (Ground Penetration Radar) e medição da profundidade do lençol freático foram possíveis medir as diferentes profundidades da franja capilar superior e inferior do lençol freático e estimar as zonas com maior suscetibilidade a alagamentos. As posições de nível do lençol freático superficial obtido com GPR corroboraram com os valores medidos in situ através da escavação de poços de observação com uso de trado manual. O lençol freático apresentou um caráter superficial, com valor médio de 0,59 m de profundidade e aeração pouco espessa. Para o lençol freático profundo, o nível médio estimado foi de 1,37 m. Através da modelagem foi possível observar que o solo apresenta um maior índice de vazios nas regiões onde o lençol freático é mais profundo. Nas localidades onde o solo apresenta uma menor capacidade de absorção da água da chuva há uma maior suscetibilidade a alagamentos. A saturação do solo, como consequência o alagamento de uma região, ocorre quando o aporte de água corresponde ao volume livre do solo, que no caso da área de estudo, apresentou limiar de saturação na ordem de 108,78 mm. O conhecimento do comportamento do lençol freático é fundamental para que os gestores municipais disponham de ferramentas para o devido planejamento das localidades suscetíveis a alagamentos no balneário Cassino.

Biografia do Autor

Miguel da Guia Albuquerque, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, Campus Rio Grande

Miguel Albuquerque é professor das disciplinas de Gestão Ambiental, Topografia e Sistemas de Posicionamento por Satélites, do curso de Geoprocessamento do IFRS - Campus Rio Grande. Sua área de atuação está ligada aos processos relacionados a geomorfologia costeira, bem como as questões relacionadas à erosão costeira e mudanças climáticas.

Downloads

Publicado

2017-12-14