Fator de forma e equações de volume para estimativa volumétrica de árvores em plantio de Eucalyptus urograndis

Dirceu Lucio Carneiro de Miranda, Valmir Bernardino Junior, Débora Monteiro Gouveia

Resumo


Nos sistemas de inventário florestal é imprescindível o estudo detalhado de equações volumétricas visando à representatividade de informações sobre o volume de madeira a ser obtido. Dessa forma, este estudo teve como objetivo desenvolver um fator de forma e uma equação de volume para estimar o volume comercial e total de árvores de eucalipto, assim como analisar se existe diferença ao estimar esse volume utilizando os dois métodos. Foram cubadas rigorosamente 40 árvores pelo método de Smalian, para desenvolver o fator de forma e ajustar as equações de volume. O valor ponderado dos escores determinou a seleção das melhores equações. A equação de melhor ajuste para estimar o volume total e comercial com casca foi de Ln(V)= -10,0286 + 1,7767*ln(dap) + 1,1336*ln(ht) e V= -0,05504 + 0,00055*dap² + 0,0000006*dap²ht + 0,00415*ht respectivamente. A porcentagem média de casca determinada foi de 17,7% do volume total; fator de forma para estimar o volume comercial com casca, foi de 0,54038 e o fator de forma para estimar o volume total com casca, foi de 0,46243. Não houve diferenças estatísticas na estimativa do volume total e comercial com casca utilizando os diferentes métodos, assim as mesmas podem ser utilizadas para estimar o volume de Eucalyptus urograndis. Com a utilização da equação de volume e/ou fator de forma é possível quantificar com precisão o potencial produtivo da área de forma a facilitar o empresário quanto à perspectiva futura de lucro e possíveis investimentos.


Palavras-chave


Cubagem, volumetria, plantios florestais

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.