Estudo sobre a Influência das Correntes de Ar durante a Execução da Solda pelos Processos de Soldagem por Eletrodo Revestido (SMAW), Eletrodo Tubular (FCAW) e Eletrodo Tubular Auto protegido (FCAW-S

Leonardo Elesbão Cunha, Camaro Ramos Rocha, Marcos Duarte da Silva, Gustavo Simões Teixeira, Luan Silveira Cadore, Daniel Souza, Nelson Netto, Douglas Araújo, Demostenes Filho

Resumo


Soldagens em campo são frequentemente realizadas em construções de estruturas, como, por exemplo, em estaleiros. Tal aplicação para processos de soldagem a arco gera problemas devido à necessidade de proteção da região que está sendo soldada das condições do tempo, como ventos e umidade. Os ventos são um dos principais problemas neste tipo de aplicação, que sabidamente provocam defeitos nos cordões de solda. No presente trabalho foram testados três processos de soldagem quanto sua resistência às correntes de ar: Eletrodo Revestido, Eletrodo Tubular e Eletrodo Tubular Auto Protegido. O Eletrodo Revestido utilizado foi da classe AWS E7018, que é um eletrodo do tipo básico e o mais utilizado em estaleiros. O Eletrodo Tubular utilizado foi o da classe AWS E71T-1 por ter grande utilização na indústria de construção naval. O Eletrodo Tubular Auto Protegido foi escolhido devido à promessa de alta resistência as correntes de vento. A metodologia proposta teve como base a determinação da velocidade máxima do vento que cada processo pode suportar sem que defeitos internos ou externos fossem detectados no cordão de solda. Os resultados mostraram que o Eletrodo Tubular Auto Protegido foi o que apresentou a maior resistência às correntes de ar. Além disso, o principal problema nos cordões de solda foi a presença de porosidade gerada pela perda da proteção gasosa.

 

 

 


Palavras-chave


Eletrodo Revestido; Eletrodo Tubular; Eletrodo Tubular Auto Protegido.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.