A Matriz Curricular de um curso de Licenciatura em Química do Nordeste Brasileiro após adequação as Diretrizes Curriculares (2002).

J. P. M. Lima, A. A. Pagan, E. M. Sussuchi

Resumo


A formação de professores tem sofrido críticas quanto à dissociação existente entre teoria e prática, presença da racionalidade técnica e modelos de formação que se aproximam de um curso com características do bacharelado. A partir das modificações ocorridas após a implantação de novas Diretrizes Curriculares para cursos de Licenciatura (2002), buscamos compreender as contribuições sobre o aumento e incorporação de disciplinas de prática pedagógica ao longo de um curso de licenciatura em Química de uma universidade pública do Nordeste Brasileiro. A pesquisa foi realizada através da análise de documentos, como: O Parecer do Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno (CNE/CP 009/2001), a Resolução 11 de 18 de fevereiro de 2002, da Câmara de Educação Superior (Parecer CNE/CES 1.303/2001) e a Resolução CNE/CES 8, de 11 de março de 2002 e das matrizes curriculares do curso. Percebemos que as mudanças ocorridas possibilitam maior contato dos alunos com o campo de trabalho, produção e análise de materiais didáticos, o que favorece a superação do modelo (3+1).

Palavras-chave


Racionalidade Técnica; Formação de professores; Matriz curricular

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.