Análise da estrutura vegetacional em uma área de transição Cerrado-Caatinga no município de Bom Jesus-PI

T. M. Oliveira, A. R. Alves, G. C. Amaral, K. N. S. de Almeida, K. B. Souza, A. S. Aguiar, E. F. Araújo, S. G. G. Farias

Resumo


No estado do Piauí, a Caatinga e o Cerrado são as principais formações florestais. Apesar de o estado apresentar vários tipos de formações florestais, os estudos referentes à estrutura diamétrica e hipsométrica são incipientes, sendo esses estudos de suma importância para o conhecimento da estrutura da comunidade vegetal, além de subsidiar ações de manejo para essas áreas. Neste sentido, o objetivo do estudo foi avaliar as relações hipsométricas, obtidas em uma área de transição cerrado-caatinga, no município de Bom Jesus-PI. O inventário florestal foi realizado em uma área de transição cerrado-caatinga, localizada no município de Bom Jesus, utilizou-se  vinte unidades amostrais, as quais foram lançadas de maneira sistemática, adotando-se como critério de inclusão indivíduos vivos e mortos  com DAP ≥ 2 cm e altura ≥ 1,5m. Os parâmetros dendrométricos calculados foram área basal e volume, sendo realizada ainda a distribuição horizontal e vertical. Além disso, os indivíduos foram avaliados quanto ao comportamento do fuste. A área basal encontrada foi de 11,045 m2. ha-1 e o volume foi de 49,757 m3.ha-1.  Com relação à qualidade do fuste, 79% dos indivíduos apresentaram fuste retilíneo. Na distribuição diamétrica e hipsométrica, a maioria dos indivíduos concentrou-se nas classes iniciais, característico de florestas inequiâneas.

Palavras-chave


estrutura diamétrica; estrutura hipsométrica; formação florestal

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.