A economia açucareira e o processo de exploração desde o Brasil-Colônia

Shiziele de Oliveira Shimada

Resumo


O presente estudo tem como objetivo analisar o processo de exploração estabelecido pelo domínio e poder de um grupo pequeno na economia açucareira desde o período colonial, economia que estava integrada ao capitalismo mundial pelo processo de acumulação comercial em uma estrutura de produção para o mercado europeu. A produção da cana-de-açúcar, submetida ao monopólio e à tributação real da metrópole portuguesa, era centrada na grande propriedade monocultora, no latifúndio e no sistema escravista. Sendo acentuada após 1930 com o sistema da agroindústria da cana-de-açúcar, verificando-se uma maior intervenção do Estado na configuração territorial brasileira a favor dos interesses do grupo dominante açucareiro, através de políticas públicas de desenvolvimento, configurando o século XX como embasamento à monopolização do capital financeiro e fortalecimento do agronegócio para o processo de reprodução do capital. Portanto, fica evidente o domínio de uma oligarquia que domina pelo monopólio o processo de reprodução do capital ao longo do processo histórico-econômico brasileiro, tendo a cana-de-açúcar como principal produto econômico que gera novas territorialidades no campo a partir da concentração fundiária e desemprego/precarização dos trabalhadores, fortalecendo a lógica desigual e combinada do capital.

Palavras-chave


Economia açucareira; Estado; Espaço agrário

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.