Fisiografia da bacia hidrográfica do rio Forqueta, RS, sul do Brasil

Eduardo Périco, Gisele Cemin, Luciane Rosa da Silva Mohr

Resumo


No Brasil, por resolução federal, a bacia hidrográfica é reconhecida legalmente como unidade de planejamento, pois é a unidade ecossistêmica e morfológica que melhor reflete os impactos das interferências antrópicas. Quanto à espacialização de ações de planejamento, os Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) tem se mostrado uma ferramenta eficiente por apresentar a capacidade de interação e análise de diferentes planos de informação que compõem uma paisagem. O objetivo deste trabalho foi de realizar uma análise fisiográfica da bacia do rio Forqueta, RS, através da utilização de dados cartográficos e Sistemas de Informação Geográfica (SIGs). Para a obtenção da rede de drenagem da bacia do rio Forqueta, as cartas planialtimétricas do exército foram escaneadas e georreferenciadas no software Idrisi. Para a análise fisiográfica optou-se pela utilização dos dados no formato vetorial, devido à maior precisão e praticidade. Foi realizada a análise linear e areal da bacia. A bacia do rio Forqueta é de 6ª ordem, com um sistema relativamente ramificado e apresenta uma forma alongada, o que indica uma menor probabilidade de enchentes. A densidade de drenagem é baixa, apresentando 1,23 km/km², indicando que as rochas da área de estudo são permeáveis.

Palavras-chave


Planejamento; Hidrografia; SIG

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.